Não estamos falando de nenhuma série da Netflix ou nenhum outro “enlatado” de Hollywood, na verdade trata-se de um grupo de pesquisadores trabalhando na Antartida detectaram o que pode ser evidências do Mundo Paralelo.

O conceito de universo paralelo existe desde o início dos anos 1960, principalmente na mente dos fãs de programas de ficção científica e quadrinhos, mas agora um experimento de detecção de raios cósmicos encontrou partículas que poderiam ser de um reino paralelo que também nasceu no Big Bang.

Os especialistas usaram um balão gigante para transportar a Antena Impulsiva Transiente Antártica da NASA, ou ANITA, bem acima da Antártica, onde o ar frio e seco fornecia ao ambiente perfeito pouco ou nenhum ruído de rádio para distorcer suas descobertas.

Durante um mês de cada vez, ele e seus colegas assistiam a um balão gigante carregando uma coleção de antenas flutuando acima do gelo, examinando mais de um milhão de quilômetros quadrados da paisagem congelada em busca de evidências de partículas de alta energia vindas do espaço.

Neutrinos subatômicos de baixa energia com massa próxima a zero podem passar completamente pela Terra, mas objetos de alta energia são interrompidos pela matéria sólida do nosso planeta, de acordo com o relatório.

Teste de suspensão antártica ANITA – Universidade do Havaí em Manoa

O pesquisador principal da ANITA, Peter Gorham, físico experimental de partículas da Universidade do Havaí, sugeriu que a única maneira do neutrino se comportar dessa maneira é se ele se transformasse em um tipo diferente de partícula antes de passar pela Terra e depois voltar novamente.

Quando o experimento voltou ao solo após seu primeiro vôo, ele não tinha nada para mostrar por si só, exceto o flash estranho do ruído de fundo. Era a mesma história depois do segundo vôo, mais de um ano depois.

Enquanto o balão estava no céu pela terceira vez, os pesquisadores decidiram rever os dados anteriores novamente, particularmente aqueles sinais descartados como ruído. 

Gorham, principal autor de um artigo da Universidade Cornell que descreve o fenômeno estranho, observou que ele e seus colegas pesquisadores haviam visto vários desses “eventos impossíveis“, sobre os quais alguns eram céticos.

Foi uma sorte que eles fizeram. Examinado com mais cuidado, um sinal parecia ser a assinatura de uma partícula de alta energia. Mas não era o que eles estavam procurando. 

Além disso, parecia impossível. Em vez de descer de cima, essa partícula estava explodindo no chão.

Essa estranha descoberta foi feita em 2016. Desde então, todos os tipos de sugestões enraizadas na física conhecida foram apresentadas para explicar o sinal desconcertante, e todas foram descartadas . 

O que resta é chocante em suas implicações. Explicar esse sinal requer a existência de um universo de pernas para o ar, criado no mesmo big bang que o nosso e existindo em paralelo com ele. 

Neste mundo espelho, positivo é negativo, esquerdo é direito e o tempo corre para trás. Talvez seja a ideia mais emocionante que já tenha surgido do gelo antártico – mas pode ser verdade

Nem todo mundo estava confortável com a hipótese” , disse Gorham à New Scientist .

E por conta disso, novas provas dizem que a NASA NÃO encontrou evidências de um Universo Paralelo.

Siga o Dica App do Dia em nossas redes sociais e também nos agregadores de notícias Flipboard e Google Notícias.

Via New Scientist e New York Poost

Deixe uma resposta