Recentemente o co-fundador do Facebook, Chris Hughes, escreveu um artigo no The New York Times, pedindo que a empresa fosse dividida.

Segundo site The Verge, Hughes isso fez com que a Mark Zuckerberg focado no crescimento da empresa, acabou sacrificando a segurança, privacidade e convívio dos usuários na rede. E que deve ser penalizado.

Mas, o Facebook após ler as declarações de Chris Hughes em edital próprio, diz que seu tamanho não é o problema real e que seu sucesso como plataforma não deveria ser punido.

Nick Clegg, vice-presidente de assuntos globais e comunicações do Facebook, escreveu o artigo, e concorda com Hughs que “as empresas devem ser responsabilizadas por suas ações” e que empresas de tecnologia como o Facebook não devem ser as responsáveis ​​por todas as ações. das “importantes questões sociais, políticas e éticas” para a internet.

Mas ele observa que desmembrar o Facebook – como Hughes pede – seria o caminho errado a seguir. 

Os desafios que ele alude”, escreve Clegg, “incluindo a interferência eleitoral e as salvaguardas de privacidade, não vão evaporar ao quebrar o Facebook ou qualquer outra grande empresa de tecnologia.”

Ele continua a reiterar muitos dos pontos de discussão regulares do Facebook: uma rede positiva para o mundo conectando todos, permitindo que as empresas prosperem e que as pessoas arrecadem muito dinheiro para causas importantes em todo o mundo.

Notavelmente, Clegg evita o que provavelmente é o foco principal do editorial: o próprio Zuckerberg. Hughes observa que, embora o CEO seja uma pessoa boa, ele detém muito poder no Facebook e não pode ser responsabilizado lá – ele dá as ordens. “O governo deve responsabilizar Mark“, escreve Hughes.


Co-fundadores do Facebook (da esquerda): Dustin Moskovitz, Chris Hughes e Mark Zuckerberg

E o que o próprio Mark Zuckerberg diz sobre isso?

Quando li o que ele escreveu, minha principal reação foi que o que ele está propondo que não vai fazer nada para ajudar a resolver esses problemas. Então acho que se você se preocupa com democracia e eleições, então você quer que uma empresa como nós seja capaz de investir bilhões de dólares por ano, como estamos construindo ferramentas realmente avançadas para combater a interferência eleitoral ”, disse Zuckerberg à France Info. Em Paris para se encontrar com o presidente francês Emmanuel Macron.

Segundo o site TechCrunch, o argumento de Zuckerberg resume-se à ideia de que os problemas específicos do Facebook com privacidade, segurança, desinformação e discurso não serão abordados diretamente pela divisão da empresa, e que, ao contrário, dificultariam seus esforços para proteger suas redes sociais. 

A família de aplicativos do Facebook teria, teoricamente, menos economias de escala ao investir em tecnologia de segurança, como inteligência artificial, para detectar bots espalhando o conteúdo de supressão de eleitores.

Zuckerberg argumenta que o tamanho do Facebook beneficia o público. “Nosso orçamento para a segurança este ano é maior do que toda a receita da nossa empresa quando fomos a público no início desta década. 

E continua. “Muito disso é porque conseguimos construir um negócio de sucesso que agora pode suportar isso. Você sabe, investimos mais em segurança do que qualquer um nas mídias sociais ”, disse Zuckerberg ao jornalista Laurent Delahousse.

O CEO do Facebook ainda afirma que, um rompimento da empresa “não vai fazer nada para ajudar” é uma refutação mais inequívoca da afirmação de Hughes do que a do vice-presidente do Facebook, Nick Clegg, ex-vice-primeiro-ministro do Reino Unido.

Siga o Dica App do dia em suas redes sociais que estão no link abaixo, e também estamos no Google Notícias e Flipboard.

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário
Entre com seu nome aqui