O CEO do Facebook , Mark Zuckerberg, adquiriu tantos poderes que até mesmo um dos co-fundadores da rede social acha que é “sem precedentes” e “não-americano”.

Chris Hughes, que foi co-fundador do Facebook com Zuckerberg, enquanto estudava em Harvard, pediu que a rede social fosse desmembrada  em uma publicação publicada no The New York Times. 

Estou com raiva porque seu foco no crescimento levou-o a sacrificar a segurança e a civilidade por cliques“, escreveu Hughes, referindo-se ao chefe e principal acionista do Facebook. 

E continua…”Estou desapontado comigo e com a equipe inicial do Facebook por não pensar mais sobre como o algoritmo do News Feed pode mudar nossa cultura, influenciar as eleições e capacitar líderes nacionalistas“.

O rápido crescimento do Facebook foi impulsionado por aquisições, incluindo o Instagram  e o WhatsApp.

Críticos, legisladores e especialistas dizem que o Facebook simplesmente comprou sua concorrência, em vez de inovar para enfrentar os desafios que eles representavam.

Todo o seu modelo de negócios é identificar potenciais ameaças e depois comprá-las ou vencê-las de alguma forma“, disse Stephen Diamond, professor associado de direito da Faculdade de Direito da Universidade de Santa Clara.

E o Facebook tem sido chamado por não fazer o suficiente para combater a interferência eleitoral, a desinformação e o discurso de ódio. 

Seu enorme poder, argumentam os críticos, precisa ser mantido sob controle. O Facebook não quer desativar o Instagram e o WhatsApp.

Veja o que você precisa saber:

Quem quer o Facebook desmembrado? Por quê?

Alertas para acabar com o Facebook não são novas. Mas é surpreendente ouvir um dos co-fundadores da empresa pedir uma medida tão extrema. 

Hughes argumenta que Zuckerberg detém tanto poder que mesmo o conselho de administração da empresa não pode mantê-lo responsável. 

Zuckerberg controla cerca de 60% das ações com direito a voto do Facebook, o que significa que o conselho tecnicamente não pode demiti-lo, mesmo que ele estrague tudo.

Hughes não está sozinho. Grupos de defesa, incluindo o Centro de Informação de Privacidade Eletrônica, Color of Change e Common Sense Media, pediram anteriormente que a Federal Trade Commission , agência que aplica a lei antitruste, faça do Instagram e do WhatsApp empresas separadas. 

Uma divisão também tornaria mais fácil para outras empresas de mídia social competir com o Facebook, argumentam as organizações.

Além disso, um grupo chamado Freedom from Facebook pediu à FTC que force o Facebook a desativar seu serviço Messenger.

A senadora Elizabeth Warren, democrata de Massachusetts que também é candidata à presidência, está entre os parlamentares que querem romper o Facebook, além de outros gigantes da tecnologia, como Google Amazon .

Como o Facebook seria separado?

Uma maneira de acabar com o Facebook seria o governo federal abrir um processo contra a empresa, argumentando que ela sufoca a concorrência. 

Isso poderia levar a uma negociação entre as partes que poderia levar o Facebook a se tornar menor.

Outra alternativa seria o Congresso aprovar uma lei que cubra os monopólios de tecnologia. 

Warren propôs essa lei, que exigiria que as plataformas de tecnologia recebessem US$ 25 bilhões ou mais em vendas para “separar estruturalmente” seus produtos. 

Amazon, por exemplo, teria que desmembrar a marca da sua casa, a Amazon Basics. Warren disse que “se vencesse a eleição presidencial, seu governo também nomearia reguladores para desfazer as fusões do Instagram e WhatsApp do Facebook.

O que o Facebook pensa sobre a ideia?

O Facebook recuou, argumentando que romper a empresa não manteria a rede social mais responsável por suas ações. 

Em vez disso, o Facebook pediu mais regulamentação da Internet em torno de conteúdo prejudicial, integridade de eleições, privacidade e portabilidade de dados.

A responsabilidade das empresas de tecnologia só pode ser alcançada através da introdução meticulosa de novas regras para a Internet“, disse Nick Clegg, vice-presidente de assuntos globais e comunicações do Facebook em comunicado. 

A rede social também disse que ter o Instagram e o WhatsApp no ​​Facebook os ajuda a combater o spam, a interferência eleitoral e o crime. O Facebook diz que tem muita concorrência, apontando para o YouTube, Snapchat, iMessage e WeChat, entre outros.

Mark Zuckerberg falou sobre o assunto, confira clicando aqui.

As empresas de tecnologia foram
separadas no passado?

Sim, mas é incomum. Em 1974, o Departamento de Justiça dos EUA entrou com uma ação antitruste contra a AT&T, mas a questão não foi resolvida até oito anos depois. 

A companhia telefônica foi obrigada a separar dois terços de seus ativos em empresas separadas, segundo um artigo de 1982 do The Washington Post. 

O governo também tentou dissolver a Microsoft e, em 2000, um juiz federal dos EUA ordenou que a gigante de tecnologia se dividisse em duas empresas. A Microsoft apelou e a decisão foi revertida.

O que isso significaria para os usuários do Facebook?

O Facebook está tentando integrar seus serviços de mensagens para que os usuários do Facebook, Instagram e WhatsApp possam enviar mensagens uns para os outros sem trocar de aplicativos. Dividir as empresas pode impedir que isso aconteça.

Aqueles que querem que o governo rompa o Facebook argumentam que a medida alimentaria mais a concorrência entre as empresas de mídia social, o que poderia significar mais opções para os consumidores. 

Cerca de 2,7 bilhões de pessoas usam o Facebook, Instagram, WhatsApp ou Messenger todos os meses.

Diamond disse que romper o Facebook também pode levar a empresa a intensificar seus esforços de privacidade para se equiparar aos concorrentes de mídia social.

Quais são as chances disso acontecer?

A FTC se recusou a comentar se está tentando acabar com o Facebook. Mas se a história é uma indicação, seria um movimento raro.

“Eu duvido que haja força política suficiente para acabar com o Facebook”, disse Diamond. “Eu sou cético, apesar de achar que pode haver boas razões para isso.”

Via CNET

Siga o Dica App do dia em suas redes sociais que estão no link abaixo, e também estamos no Google Notícias e Flipboard.

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário
Entre com seu nome aqui