O Parlamento Europeu planeja na terça-feira 26/03 a votação final de uma peça fundamental da legislação que pode ter um impacto significativo no futuro da Internet.

A legislação em questão é a diretiva de direitos autorais da União Europeia (UE), uma lei proposta que reformulará as regras de direitos autorais na Europa para atualizá-las para a era da Internet.

Mas uma parte da proposta em particular – o artigo 13, que regerá o modo como o conteúdo protegido por direitos autorais é enviado à internet – tem muitos membros da comunidade de tecnologia reagindo contra esta lei.

Ou seja, sabe aquele seu trabalho de escola, aquela sua apresentação de trabalho no Power Point, sabe aquela foto que exibe a marca de seu celular, qualquer móvel de seu cenário para o canal do Youtube, enfim, qualquer coisa, se você não tiver a devida autorização, as empresas responsáveis pelo seu conteúdo (Facebook, Google, Twitter, e etc) serão punidas.

do autor

O Artigo 13 dita que qualquer pessoa que compartilhe conteúdo protegido por direitos autorais deve obter permissão dos proprietários dos direitos, ou pelo menos ter feito o melhor esforço possível para obter permissão, antes de fazê-lo.

Mas isso não significa apenas músicas completas, filmes, programas de TV e imagens. Também significa gifs, memes e screenshots – o famoso print da tela.

Por exemplo, se os artigos 11 e 13 já tivessem sido aprovados e a ideia tivesse chegado e aprovado no Brasil, ai sim, a Betina poderia falar abertamente em rede nacional que ganhou milhões, por conta dos processos por divulgarem imagem dela sem autorização.

do autor

Todos os políticos do Brasil iriam ganhar milhões por conta destes dois artigos por usarem e divulgarem as suas imagens sem autorização.

Para reforçar isso, as plataformas da Internet seriam forçadas a usar filtros de upload para avaliar o material antes que ele ficasse on-line.

Mesmo os serviços on-line, como o Facebook e o YouTube, que passaram anos desenvolvendo essa tecnologia, não conseguiram provar que a pré-moderação de conteúdo é um método infalível para impedir que o conteúdo surja on-line, que não deveria estar lá.

Países da União Europeia são contra os artigos 11 e 13.

A preocupação é que a legislação leve a uma versão mais bloqueada e menos criativa da internet como a conhecemos hoje.

Pode também impedir a competição entre as plataformas da Internet, uma vez que apenas os maiores e mais ricos podem ter condições de cumprir a legislação.

No ano passado, um grupo de mais de 70 luminares da internet, incluindo Vint Cerf e Tim Berners-Lee, abordaram suas preocupações sobre a legislação em carta ao presidente do Parlamento Europeu.

Em um post na semana passada, a Wikimedia Foundation (um dos muitos manifestantes contra a diretiva) disse que o Artigo 13 iria “diminuir drasticamente a diversidade de conteúdo disponível on-line”.

“A Wikimedia não pode apoiar uma reforma que, em sua essência, visa controlar radicalmente o compartilhamento de informações online”, disse a fundação.

Na semana passada, quatro versões da Wikipédia (alemã, tcheca, dinamarquesa e eslovaca) foram bloqueadas por um dia para protestar contra a diretiva.

Outros sites, incluindo Reddit, Twitch e Pornhub, participaram de protestos próprios.

“Mesmo que o Reddit seja uma empresa americana, nós seríamos altamente impactados por mudanças na lei, assim como nossos usuários europeus”, escreveu a empresa em um post na semana passada.

“Isso pode até impactar a disponibilidade de serviços que oferecemos aos usuários não-europeus”.

Preocupações com um imposto de link

O artigo 13 não é a única peça da legislação proposta que enfureceu as pessoas. As empresas de tecnologia também questionaram uma segunda seção, o Artigo 11, que diz que os mecanismos de busca e os agregadores de notícias serão cobrados para exibir trechos de notícias aos quais estão ligando (chamado imposto de link).

Em janeiro, o Google disse que pode ter que retirar completamente o serviço de notícias da Europa se a diretiva passar em seu estado atual.

Capturas de tela capturadas pelo Search Engine Land mostraram como os resultados de notícias do Google apareceriam na Europa se o Google não pagasse o imposto. (Alerta de spoiler: Eles são apenas um monte de caixas vazias.)

Nesta fase, a votação poderia ter lugar de qualquer forma na terça-feira – ter em mente que a UE negociou o conteúdo da directiva há mais de dois anos e contém muitas outras cláusulas além dos artigos 11 e 13.

Mas a luta para persuadir os membros o Parlamento Europeu não votar a favor da lei ainda não terminou.

No fim de semana, dezenas de milhares de pessoas marcharam em protesto em cidades da Alemanha contra a proposta de lei.

Enquanto isso, a Electronic Frontier Foundation, organização sem fins lucrativos, está incentivando as pessoas a entrar em contato com seus representantes eleitos para divulgar suas opiniões.

“Dezenas de deputados da Europa estão indecisos sobre como votar”, afirmou no Twitter , com links para a campanha “Save Your Internet” .

“O Artigo 13 iria reformular fundamentalmente a Internet Européia, e todos são contra ela: artistas, pequenas empresas, grandes empresas, os criadores da Internet e mais de 5 milhões de pessoas que assinaram a petição para parar a máquina de censura que ela criaria”

Via CNET

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário
Entre com seu nome aqui