Se você é da década de 80 em diante sentiu um certo frio na barriga e/ou arregalou os olhos quando viu esta matéria e deve ter pensado “é sério isso?” Os “caras estão reproduzindo o T-1000 do filme Exterminador do Futuro?

Lembra? Quando Sarah Connor foge de um asilo em Exterminado do Futuro 2, quem quiser assistir o filme está no Amazon Prime Video, o cyborg perseguidor passa por barras de metal se transformando na forma líquida e voltando ao estado líquido em segundos.

Agora, os cientistas fizeram a coisa mais próxima do fictício T-1000, criando um robô que muda de forma que também pode passar por barras de metal para escapar da contenção.

Cientistas da Universidade Carnegie Mellon, em Pittsburgh, pegaram o gálio, um metal que derrete à temperatura ambiente, e o enriqueceram com partículas magnéticas.

Entretanto, os avanços no robô pararam aqui e não envolveram a capacidade de formar facas como o modelo T-1000 da Skynet feito em 2029 e enviado de volta no tempo para lutar contra o T-800 de Arnold Schwarzenegger.

O gálio, combinado com partículas ferromagnéticas de neodímio-ferro-boro, funde a 30,6°C (87,08F). 

Quando os cientistas enviaram um campo magnético alternado através do material, que tinha a forma de uma estatueta de Lego em miniatura, sua temperatura aumentou – permitindo que derretesse.

Em formato líquido, o campo magnético foi capaz de mover o boneco de metal derretido de dentro de uma gaiola para fora – onde foi reunido em um molde, reformado e deixado para esfriar depois que o campo magnético foi desligado.

Com sua temperatura abaixo de 30C (86F) de acordo com a temperatura ambiente, o robô recuperou sua força e forma original em 80 segundos após o desligamento do campo magnético.

“As partículas magnéticas aqui têm duas funções”, disse Carmel Majidi, autor sênior e engenheiro mecânico da Carnegie Mellon University.

Assista o vídeo abaixo ou clique aqui.

“Uma é que eles tornam o material responsivo a um campo magnético alternado, para que você possa, por indução, aquecer o material e causar a mudança de fase.

“Mas as partículas magnéticas também dão mobilidade aos robôs e a capacidade de se mover em resposta ao campo magnético.”

Os cientistas dizem que as tentativas anteriores de fazer robôs que mudam de forma precisaram de armas de calor, correntes elétricas ou outras fontes externas de calor para controlar a mudança de sólido para líquido.

Mas ao enriquecer o gálio com partículas magnéticas e garantir que você trabalhe em uma sala estritamente controlada por temperatura, um campo magnético é tudo o que é necessário.

Em seu estudo – publicado na revista Matter – a equipe escreveu que, quando em estado sólido, o material tem resistência à tração e compressão impressionante e pode suportar peso pesado.

Mas quando em estado líquido, também é mais fluido e menos viscoso do que outras tentativas de fazer um robô que muda de forma, devido às propriedades do composto enriquecido com gálio.

Explicação do processo de mudança de estado que a matéria passa passar do líquido para o sólido e vice-versa.
Explicação do processo de mudança de estado que a matéria passa passar do líquido para o sólido e vice-versa.

“Essa combinação única de propriedades é possibilitada pela transição reversível entre os estados rígido e fluídico por meio do aquecimento do campo magnético alternado e do resfriamento ambiente”, escreveram os cientistas.

Em seus experimentos, os cientistas conseguiram usar campos magnéticos para manipular o metal e fazê-lo pular, escalar paredes e partir ao meio para mover outros objetos.

A equipe disse que o material pode ser usado em uma série de aplicações de robótica, como consertar circuitos de difícil acesso, agir como um parafuso universal e ajudar a eliminar bloqueios no corpo ou administrar medicamentos.

“Agora, estamos impulsionando esse sistema de materiais de maneiras mais práticas para resolver alguns problemas médicos e de engenharia muito específicos”, disse Chengfeng Pan, engenheiro da Universidade Chinesa de Hong Kong, que liderou o estudo.

“O trabalho futuro deve explorar ainda mais como esses robôs podem ser usados ​​dentro de um contexto biomédico”, diz Majidi.

“O que estamos mostrando são apenas demonstrações pontuais, provas de conceito, mas muito mais estudos serão necessários para investigar como isso poderia realmente ser usado para a administração de medicamentos ou para remover objetos estranhos”.

E ai, o que achou? Deixe nos comentários.

Siga o Dica App do Dia em nossas redes sociais e também nos agregadores de notícias Flipboard e Google Notícias.

Deixe uma resposta