O Google Doodle de hoje, ilustrado pela convidada belga Fatinha Ramos, homenageia a médica e ativista portuguesa Carolina Beatriz Ângelo, que dedicou a sua vida à luta pela igualdade de tratamento entre mulheres e crianças.

Neste dia de 1911, Carolina Beatriz Ângelo encontrou uma lacuna na lei portuguesa que lhe permitiu votar nas eleições do ano para a Assembleia Constituinte, se tornando a primeira eleitora feminina da história de Portugal.

Nascida na Guarda, Portugal, a 6 de abril de 1878, Carolina Beatriz Ângelo passou a fazer o doutoramento com especialização em ginecologia na Escola Médico-Cirúrgica de Lisboa.

Séria e determinada, ela se tornou a primeira mulher a realizar uma cirurgia no Hospital São José de Lisboa, quebrando as barreiras de gênero a cada procedimento

Médica e ativista portuguesa Carolina Beatriz Ângelo – Imagem:Ilustração

O impacto de suas conquistas históricas não se limitou apenas à sala de cirurgia.

Em 1906, trabalhou ao lado do Comité Português da Associação Francesa, o primeiro de muitos grupos com que ela colaborou para ajudar a construir um Portugal melhor.

No ano seguinte, Carolina Beatriz Ângelo juntou forças com o Grupo Português de Estudos Feministas, onde trabalhou em estreita colaboração com figuras de renome do crescente movimento nacional pela igualdade de género.

Os seus esforços para melhorar a sociedade atingiram o auge em 1911, quando fundou a Associação Portuguesa de Propaganda Feminista, uma força-chave na luta pelos direitos das mulheres e crianças portuguesas.

Nesse mesmo ano, ela se tornou a primeira mulher a votar nas eleições parlamentares portuguesas.

Embora o as eleições com participação do público feminino só tenha sido concedido em Portugal décadas depois, o formidável legado de ela de defender a igualdade é sentido nas urnas portuguesas até hoje.

Obrigada, Carolina Beatriz Ângelo, pelos grandes avanços que você deu para um futuro mais justo.

Siga o Dica App do Dia em nossas redes sociais e também nos agregadores de notícias Flipboard e Google Notícias.

Via Google

Deixe uma resposta