Comício realizado pelo presidente Donald Trump no sábado 21/06 em Tulsa, Oklaroma foi muito abaixo do esperado e usuários do app TikTok e fãs de K-Pop dizem que ajudaram a reduzir o número de pessoas.

A estratégia foi muito simples. A galera que sabotou o evento disseram que reservaram ingressos on-line mas já com a intensão de não comparecer no local.

De acordo com Brad Parsale, responsável pela campanha de Donald Trump, o evento recebeu mais de um milhão de pedidos de ingressos para o comício, mas tanto repórteres quanto apoiadores estavam abaixo da expectativa.

Mas, segundo tweet abaixo vemos que a situação foi bem diferente no dia do evento.

Depois que a conta oficial do Twitter de Trump convidou os torcedores a solicitar ingressos para o evento em 11 de junho, as contas de fãs do K-Pop incentivaram seus seguidores a se inscreverem no evento e depois não comparecerem. 

Vídeos do TikTok com milhões de visualizações incentivaram os espectadores a fazer o mesmo, informou a CNN na terça-feira.

Parscale twittou que “manifestantes radicais” haviam “interferido” na participação, enquanto os usuários do Twitter declararam o esforço uma vitória política no sábado.

Na verdade, você acabou de ser abalado por adolescentes no TikTok“, twittou a deputada Alexandria Ocasio-Cortez, democrata de Nova York, em resposta ao tweet de Parscale .

Pra quem não sabe, TikTok é um aplicativo de mídia social em que usuários, principalmente adolescentes e jovens adultos, postam vídeos de até 15 segundos de duração, geralmente sincronizados com a música. 

O aplicativo pertence à empresa chinesa ByteDance, atualmente a startup mais valiosa do mundo . 

Os fãs de K-pop, conhecidos por ter amplas redes online, usavam sua presença ativa anteriormente para interromper hashtags racistas que surgiam durante os protestos do Black Lives Matter. 

Os fãs inundaram essas hashtags com vídeos de seus grupos favoritos, abafando as mensagens racistas.

Siga o Dica App do Dia em nossas redes sociais e também nos agregadores de notícias Flipboard e Google Notícias.

Via CNET

Deixe uma resposta