O secretário de Estado Mike Pompeo disse nesta segunda-feira que os Estados Unidos estão analisando a proibição de apps chineses, incluindo o TikTok.

Segundo Pompeo, estes apps compartilham informações com o governo chinês, porém esta acusação foi negada.

Os legisladores americanos levantaram preocupações de segurança nacional com o manuseio de dados de usuários pelo TikTok.

Eles estavam preocupados com as leis chinesas que exigem que as empresas domésticas “apoiem e cooperem com o trabalho de inteligência controlado pelo Partido Comunista Chinês“.

Não quero sair na frente do presidente (Donald Trump), mas é algo que estamos vendo“, disse Pompeo à Fox News em uma entrevista.

Pompeo disse que os americanos devem ser cautelosos ao usar o aplicativo de vídeo em formato curto, de propriedade da ByteDance, da China.

Quando perguntado se ele recomendaria o app Tiktok para as pessoas, Pompeo respondeu “Somente se você quiser suas informações privadas nas mãos do Partido Comunista Chinês

TikTok afirma nunca ter fornecido seus dados para a China

Em resposta a seus comentários, TikTok disse ao site Reuters que nunca forneceu dados de usuários para a China.

Não temos prioridade maior do que promover uma experiência segura e segura para nossos usuários. Nós nunca fornecemos dados do usuário ao governo chinês, nem o faríamos se solicitado ”, afirmou o TikTok em comunicado por e-mail.

O aplicativo, que não está disponível na China, tentou se distanciar de suas raízes chinesas para atrair um público global.

As observações de Pompeo também ocorrem em meio às crescentes tensões EUA-China sobre o tratamento do surto de coronavírus, as ações da China na ex-colônia britânica de Hong Kong e uma guerra comercial de quase dois anos.

Além disso, com o lançamento do Reels, do Instagram, pode ser uma grande chance para o recurso ganhar ainda mais popularidade.

O TikTok foi recentemente banido na Índia, juntamente com outros 58 aplicativos chineses, depois de um conflito na fronteira entre a Índia e a China.

A Reuters informou na segunda-feira que o TikTok sairia do mercado de Hong Kong dentro de dias, após o estabelecimento da China de uma nova lei de segurança nacional para a cidade.

Hong Kong voltou ao domínio chinês em 1997 com a garantia de liberdades e autonomia de longo alcance sob a fórmula “um país, dois sistemas” acordada com a Grã-Bretanha.

Via Reuters

Deixe uma resposta