São Paulo, SP 8/9/2021 – Graças à nova tecnologia a realização de manutenção rotineira tornou-se menos complexa e mais segura

As tecnologias têm um papel-chave na indústria aeronáutica, permitem a integração dos sistemas de controle da aeronave, maior eficiência da fábrica até as cadeias globais de suprimentos e uma melhor manutenção das aeronaves

O crescimento e desenvolvimento da tecnologia, a cada ano, traz diversas ferramentas inovadoras capazes de otimizar ainda mais as atividades do setor da aviação, e com o apoio da tecnologia e dos softwares as viagens estão cada vez mais seguras e os processos relacionados a manutenção estão mais eficientes, segundo a eBianch, plataforma de ensino a distância para pilotos de aviação. 

Com a promessa de expandir a aviação regional no Brasil, os investimentos do Ministério da Infraestrutura (Minfra) no setor, entre 2019 e o final deste ano, 2021, vão chegar a quase R$ 1 bilhão em tecnologia, equipamentos de navegação aérea, reforma e construção de novos aeroportos, nas cinco regiões do país.

As atualizações da tecnologia proporcionam grandes avanços no setor da aviação, tanto para as aeronaves como para as empresas, e são de extrema importância para o suporte e melhoraria da segurança operacional, assim como na redução dos possíveis erros cometidos no passado, afirma Carlos Alberto Cuartas Gallego, Tecnólogo Aeronáutico, com especialização em Estruturas e Materiais Compósitos e Certificação de fuselagem e usina.

São vários os benefícios dos softwares e das novas tecnologias nas empresas aéreas, diz Carlos, como: a gestão eficiente de materiais e sobressalentes aeronáuticos, novas oportunidades de apoio a sustentabilidade, mão de obra com mais produtividade, manutenção de aeronaves mais eficazes e, sobretudo, uma aeronavegabilidade efetiva.

“Com minha experiência em tecnologia e mecânica, sistemas de aeronaves, e em aeronaves com motor a jato e turboélice, tive a oportunidade de trabalhar em aviões com tecnologias avançadas e não avançadas, e a mudança é muito grande. Aviões com menos tecnologia, muitas vezes, falhavam, sem contar a falha humana, mas com o passar dos anos isso foi diminuindo”, declara o tecnólogo aeronáutico.

Cuartas menciona que atualmente existem mais erros humanos do que falhas mecânicas nas aeronaves, devido à nova tecnologia introduzida nos sistemas das aeronaves, beneficiando tanto as empresas quanto os mecânicos.

De acorco com a PwC Brasil, consultoria no setor aeroespacial, os ganhos de eficiência habilitados pela tecnologia, como o blockchain, podem aumentar a receita da indústria aérea em até 4% (ou US$ 40 bilhões), cortando altos custos de manutenção, reparo e revisão em cerca de 5% (ou US$ 3,5 bilhões).

Conforme o especialista, uma aeronave de última geração como, por exemplo, o Boeing 787, é repleto de mudanças tanto na estrutura, nos motores e, principalmente, na tecnologia.

Ele lembra que a aeronave é fabricada com 90% de materiais compósitos, motores com capacidade de empuxo de 78.000 libras, ignição elétrica sem a necessidade do uso de ar para movimentar os componentes e uma tecnologia que reduz o peso dos computadores, substituindo-os por disco rígido que armazenam as informações necessárias para o correto funcionamento de todos os sistemas.

“Esta aeronave, Boeing 787, é muito amigável para o mecânico, pois graças à nova tecnologia a realização de manutenção rotineira tornou-se menos complexa e mais segura, pode-se dizer que se a aeronave apresentar algum defeito, basta levar o computador a bordo.

Conectando-o à sua porta ethernet, podemos determinar que a tarefa deve ser realizada para solucionar a falha e assim garantir a segurança operacional da aeronave, e principalmente das pessoas que nela viajam”, finaliza Carlos Cuartas.

Deixe uma resposta